Aves do Grande Sertão: Veredas

Quero descobrir o que caracteriza
o vôo de cada pássaro,
em cada momento.

Não quero palavra, mas coisa,
 movimento, vôo.
(João G. Rosa)


Coruja Suindara (Tyto alba)

                                                                                  Foto: Dario Sanches



Coruja Orelhuda (Rhinoptynx clamator)

                                                                     Foto: Frank Wouters
“Que mesmo como coruja era – mas da orelhuda,
mais mor, de tristes gargalhadas;porque a suindara é tão linda,
nela tudo é cor que nem tem comparação nenhuma,
 por cima de riscas sedas de brancura.”



Urutau (Nyctibius griseus )

                                               Foto: Martha Lange
"Relanceei em volta. Todo o mundo dormindo.
Só o chochorro mateiro, que sai de debaixo dos silêncios,
e um ô-ô-ô de urutau, muito triste e muito alto."



Nhauma (Anhima cornuta)

                                                                      Foto: Barloventomagico
“Reprazia, para mim, um dia reverter para o rio das Velhas,
cujos campais de gado, com coqueiral de macaúbas,
meio do mato, sobre morro, e o grande revôo baixo da nhaúma,
e o mimoso pássaro que ensina carinhos – o manuelzinho-da-crôa..  



Jabiru (Jabiru mycteria)
                                    
                                                                                   Foto: Sergio Serrano



Martim-pescador (Megaceryle torquata)

                                                                                    Foto: Dario Sanches



Garça Branca (Ardea alba)

                                                                          Foto: Mike Baird
"O comum: essas garças, enfileirantes, de toda brancura;
o jaburu; o pato-verde, o pato-preto, topetudo;
marrequinhos dançantes;martim-pescador; mergulhão;
 e até uns urubus, com aquele triste preto que mancha.
Mas, melhor de todos – conforme o Reinaldo disse-o que
é o passarim mais bonito e engraçadinho de rio-abaixo e rio-acima:
 o que se chama o manuelzinho-da-crôa.”



Garricha-do-brejo (certhiaxis cinnamomeus)

                                                                                    Foto: Dario Sanches
 “Os verdes já estavam se gastando.
Eu tornei a me lembrar daqueles pássaros.
 O marrequim, a garrixa-do-brejo, frangos-d’água, gaivotas.
O manuelzinho-dacroa! Diadorim, comigo.
As garças, elas em asas.”



Frango d'água (Gallinula chloropus)

                                                                                                  Foto: Jimmy Yao



Manuelzinho-da-crôa (Charadrius collaris)

                                                                        Foto: Cláudio Timm
“Era o manuelzinho-da-croa, sempre em casal, indo por cima da areia
lisa, eles altas perninhas vermelhas, esteiadas muito atrás traseiras,
 desempinadinhos, peitudos, escrupulosos catando suas coisinhas
para comer alimentação. Machozinho e fêmea – às vezes davam beijos
de biquinquim – a galinholagem deles. ‘É preciso olhar para esses
com um todo carinho...’ – o Reinaldo disse.”



 Azulêjo (Molothrus bonariensis)

                                                                        Foto: Dario Sanches



Birro (Melanerpes candidus)

                                                           Foto: Dario Sanches



Garrixo (Troglodytes musculus)
                                                                         
                                                Foto: Dario Sanches
“A fim, o birro e o garrixo sigritando.
Ah, e o sabiá-preto canta bem.”



O Sací-do-brejo (Donacobius atricapilla)
                               
                                                                               Foto: Vsmithuk



Sabiá-ponga (Turdus rufiventris)

                                                                                   Foto: Dario Sanches                       



Sabiá-preto (Turdus flavipes)

                                                                        Foto: Dario Sanches



João-congo (Cacicus solitarius)

                                                                                                        Foto: Thiapu
“O joão-congo piava cânticos, triste lá e ali em mim.
Isto é, minto: hoje é triste, naquele tempo eram as alegrias.”



João-pobre (Serpophaga nigricans)

                                                                          Foto: Lip Kee Yap
"Arrepio que fuxicava as folhagens ali, e ia, lá
adiante longe, balançar esfiapado o pendão
branco das canabravas. Por lá, nas beiras, cantava
era o joão-pobre, pardo, banhador."




Suiriri ou Tiriri (Tyrannus melancholicus)

                                                                  Foto: Wagner-machado-carlos-lemes
Do tupi-guarani, su-y-ry-ry: "pássaro que faz barulho". 



Poví ou Grunhatá-do-coqueira (Euphonia violacea)

                                                                       Foto: Dario Sanches



Saci ou Tempo-quente (Tapera naevia)

                                                                                         Foto: Barloventomagico
"E tinha o xenxém, que tintipiava de manhã no revoredo,
o saci-dobrejo, a doidinha, a gangorrinha, o tempo-quente,
a rola-vaqueira... e o bem-te-vi que dizia, e araras enrouquecidas."



 Pintassilgo (Carduelis magellanica)

                                                                        Foto: Dario Sanches
"O roteiro de Deus nas serras dos Gerais (...)
E lá é cimo alto: pintassilgo gosta daquelas friagens.
Cantam que sim."




Peitica

                                                                Foto: Wagner-machado-carlos-lemes
"Aí passarinhos que já vão voando, com o menorzinho ralo de luz
eles se contentam, para seu só isso de caçar o de comer.
Triste, triste, um tiriri cantou. Alegre, para mim, a peitica."



Papa-banana (Psarocolius decumanus)

 
                                                              Foto: Chdwckvnstrsslhm
“Assovios que fechavam o dia: o papa-banana, o azulejo,
a garricha-do-brejo, o suiriri, o sabiá-ponga, o grunhatá-do-coqueiro...”



Jesus-meu-deus (Arremon flavirostris)

                                                                                             Foto: Dario Sanches
“O birro e o jesus-meu-deus cantavam.
O melosal maduro alto, com toda sua roxidão, roxura." 
Escute o canto do Jesus-meu-deus



Quem-quem (Cyanocorax cyanopogon)
                                    Foto: David.Monniaux
"Os quem-quem, aos casais, corriam, catavam, permeio às reses,
 no liso do campo claro. Mas, nas árvores, pica-pau bate e grita".



A Rola-vaqueira (Uropelia campestris)

                                                                         Foto: Ciro Albano



Pomba-vermelha-do-mato-virgem (Geotrygon violacea)

                                                                           Foto: Yamil Sáenz
“Eu tinha uma lua recolhida. Quando o dia quebrava as barras,
 eu escutava outros pássaros. Tiriri, graúna, a fariscadeira,
juriti-dopeito-branco ou a pomba-vermelha-do-mato-virgem.”



Macuco

                                                                        Foto: Dario Sanches
"E o macuco vinha andando, sarandando, macucando:
aquilo ele ciscava no chão, feito galinha de casa” (2001, p. 306).



Ovo de Macuco

"Que não que o céu: esse é céu-azul vivoso,
igual um ovo de macuco" (2001, p. 42).



Zabelê

                                                                 Foto: Marcos Massariolli
“O zabelê choco, chamando seus pintos, para
esgaravatar terra e com eles os bichinhos comíveis catar.”



Socó-boi-baio

                                                                     Foto: Cláudio Timm



Socó-boi (Tigrisoma lineatum)

                                                                Foto: Cristóbal Alvarado
“Os dias de chover cheio foram se emendando.
Tudo igual – às vezes é uma sem-gracez.
Mas não se deve de tentar o tempo.
As garças é que praziam de gritar, o garcejo delas,
e o socó-boi range cincerros, e o socó latindo sucinto.”



Seriema (Cariama cristata)

                                          Foto: Steven G. Johnson
“Quando a lua subisse mais, as estrelas se sumiam
para dentro, e até as seriemas podiam se atontar de gritar.”



Graúna ou Pássaro-preto (Gnorimopsar chopi)

                                                                                              Foto: Cláudio Timm
"Um boneco de capim, vestido com um paletó velho
e um chapéu roto, e com os braços de pau abertos
em cruz, no arrozal, não é mamolengo?
O passopreto vê e não vem, os passarinhos
se piam de distância. Homem, é."



Você conhece os meus cadernos, não conhece? Quando eu saio montado num cavalo, por minha
Minas Gerais, vou tomando nota de coisas. O caderno fica impregnado de sangue de boi,
suor de cavalo, folha machucada. Cada pássaro que voa, cada espécie, tem vôo diferente.

Quero descobrir o que caracteriza o vôo de cada pássaro, em cada momento.
Não  há nada igual neste mundo. Não quero palavra, mas coisa, movimento, vôo.
(G. Rosa, em entrevista concedida a Pedro Bloch, em junho de 1963).




Para mais informações, acessar:











7 comentários:

Tietta Pivatto disse...

Que delícia encontrar esse blog, que une duas coisas que eu adoro: Guimarães Rosa e as aves que enfeitam seu texto.

Parabéns!!! Coloquei um link no meu blog.

Abraços,

Tietta Pivatto
Bonito-MS

judite pi disse...

estou perplexa com a beleza deste blog ! foi um presente da vida encontrá-lo justamente hoje pela manhã!

judite pimentel
rio de janeiro
09 de abril de 2011

Diogo de Oliveira Reis disse...

Judite, obrigado pelo comentário. Fico feliz que tenha gostado do blog.

Phobos disse...

Adorei a página! Parabéns pelo trabalho! Lindas fotos.

CANTO DE BOCAIÚVA disse...

Puxa, que lugar mais bonito de bão!

Rivaldo disse...

ESTES PÁSSAROS SÃO NOSSOS, SÃO DO NORDESTE??? POXA, QUE BOM RAPAZ. FIQUEI MUINTO FELIZ COM SEU BLOG. JÁ SALVEI EM MEU FAVORITO. ESTAREI SEMPRE ENTRANDO PARA VER AS NOVIDADES. FALE MAIS DA NOSSA TERRA. O POVO AQUÍ NO RIO DE JANEIRO ACHA QUE É SÓ MISÉRIA.

Felipe da Silva Recco disse...

Parabéns pelo trabalho, fiquei maravilhado, obrigado.

Postar um comentário